Foi promovido(a)? Coach e psicóloga Nadir Paes explica como se preparar para os novos desafios do cargo

Segundo a especialista em recursos humanos e consultora Nadir Paes, comportamentos devem ser modificados diante das novas responsabilidades e liderar exige recursos que vão além do conhecimento técnico e processual

 

Pós-graduação, cursos complementares, dedicação e horas a mais pensando nas funções do trabalho. O caminho para alcançar novos cargos dentro de um emprego não seguem uma lógica, mas exigem múltiplos esforços de profissionais. No entanto, nem sempre conquistar um cargo superior é o trabalho mais árduo. Em alguns casos, manter-se nele pode ser uma tarefa ainda mais complexa.

Não é à toa que nos dias de hoje, cursos de psicologia positiva, programação neorolinguística, entre outros programas de treinamento já conquistaram o mundo empresarial. A Master Coach Trainer Nadir Paes, formada em psicologia, atuou por mais de 20 anos na área de recursos humanos e está há mais de cinco como Coach no Brasil, sendo uma das pioneiras no programa no País.

Segundo a especialista, utilizar o Coaching em momentos de transições profissionais ajuda a garantir resultados positivos, ainda mais quando o cargo exige habilidades sociais, como gerenciar pessoas. “Para os profissionais que desejam ocupar cargos de liderança e que ainda não possuem as competências para gerir pessoas, sugerimos o Coaching, metodologia de desenvolvimento de competências comportamentais e emocionais que visa alcançar objetivos planejados”, explica.

De acordo com a consultora, o programa de treinamento e desenvolvimento tem o papel de levar o profissional a refletir sobre seu momento atual, nível de satisfação e nova posição dentro da empresa. “Antes de tudo é preciso fazer algumas perguntas: O que é para mim um emprego melhor?  O que é e o que significa para mim uma promoção na empresa onde trabalho? Eu quero direcionar minha carreira para cargos técnicos ou de liderança? Responder estas questões é extremamente importante para o desenvolvimento de uma carreira profissional de sucesso. Também com estas reflexões podemos encontrar as respostas sobre o nosso merecimento e preparação para novos cargos”, pondera Nadir.

Para a especialista em desenvolvimento humano, o líder precisa ter a habilidade em gerar resultados para a empresa através das pessoas e, para isso, além do conhecimento técnico e processual, demonstrar competências no relacionamento interpessoal. “O líder moderno inspira, motiva e leva as pessoas a acreditarem em si mesmas. Ele consegue engajar as pessoas e assim levá-las a serem mais produtivas. Ele lidera e ensina, pelo exemplo. É apoiador, estimula à autogestão, é flexível e aberto a mudanças”, avalia.

Dentro do treinamento, existem diversos módulos, desde aplicações técnicas assimiladas nos primeiros dias até desenvolvimento final após a conclusão do programa, que dura de três dias a seis meses, dependendo do curso. “Primeiro avalio o estado atual do profissional e, em seguida, o contexto e estado desejado. Depois destas reflexões é possível mapear quais as competências precisam ser desenvolvidas, tendo em vista o novo cargo e as novas responsabilidades. E dentro do processo vamos fazer um planejamento de desenvolvimento e evolução até a conquista do objetivo planejado”, ressalta.

Inércia profissional

Acomodar-se no emprego pode significar insatisfação e ainda pode ser um péssimo caminho para o desenvolvimento profissional, já que a inércia e a acomodação geram o desinteresse na área e, em casos mais graves, até o receio em perder o emprego.  Para não deixar isso acontecer, a especialista recomenda que o profissional esteja atento às informações e novidades na área de atuação, além de assistir palestras, fazer cursos e networking para não entrar em zona de conforto e abrir perspectivas novas para o futuro.

“São vários os fatores que podem manter os jovens talentos focados. Entre eles a clareza das políticas dos departamentos de recursos humanos, planejamento de carreira e uma boa gestão de liderança.  Ao falarmos em retenção de talentos, estamos falando de valorização, reconhecimento, alcance de objetivos”, afirma.

Mudança na postura profissional

A consultora acrescenta que se o profissional chegou ao cargo de liderança, precisa corresponder com as expectativas do cargo e o desenvolvimento da inteligência emocional é extremamente importante para uma carreira bem sucedida. “É muito comum as pessoas serem admitidas em uma determinada função devido às competências técnicas, e também muito comum serem demitidas por problemas comportamentais e emocionais. Então manter-se equilibrado emocionalmente diante de pressão é importante para uma carreira promissora. Assim a busca constante pelo o autoconhecimento, seja através  do Coaching ou outra metodologia de desenvolvimento é muito importante para a obtenção deste equilíbrio”, pondera Nadir.

 

Crédito: Divulgação/ E5 Comunicação

 

 

Related Articles

Responses

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *