O PODER DE DECISÃO NA HORA DO VOTO

Às vésperas de mais uma eleição presidencial, o voto consciente exige conhecimento. Ainda dá tempo de se informar

Estejamos acostumados a tomar decisões e fazer escolhas em nosso dia a dia, mesmo quando não é tão fácil como gostaríamos, já que em alguns casos não há escapatória. Quando se trata de escolher novos governantes, às vezes, pode ser ainda mais difícil. Bom, pelo menos àqueles que se preocupam com a política do no País.

Às vésperas de uma nova eleição presidencial, e outros cargos públicos importantes, a escolha em quem votar costuma ser um dos principais assuntos em conversas cotidianas. Para muitos, vejo que o tema ocasiona angústia e ansiedade, pelo fato de estarmos diante de uma decisão de grande impacto em nossas vidas, principalmente nos aspectos social, econômico e, é claro, político.

Contudo, diante do processo democrático, a condição da escolha pode ser considerada uma grande conquista. Então, por que alguns de nós – onde eu também me incluo – sofremos com isto? Talvez pelo receio do erro ou do desperdício de uma oportunidade. A preocupação e o sofrimento também são gerados porque toda escolha exige renúncia. Decidir sempre implica em algumas perdas. E abrir mão das outras opções é que nos faz sofrer. É preciso compreender que as reflexões nos momentos de decisão nos leva ao crescimento e aprendizado, por isso estes momentos devem ser vistos de forma positiva. Compreendendo desta maneira, tomar uma decisão pode torna-se mais fácil, mesmo sem excluir a responsabilidade.

Sobretudo, o poder do voto é fundamental para aprimorarmos a democracia e nossas instituições. A desonestidade de políticos e a corrupção são fatores que geram há anos desconfiança do povo brasileiro. Informações e notícias sobre escândalos e casos de propina em diversas escalas, como o do mensalão, criam para muitos a ideia generalista de que todos os políticos são corruptíveis, o que nem sempre é a verdade. Felizmente, podemos dizer, sim, que existem políticos bem intencionados e honestos, embora o jogo político possa ser ainda mais complexo do que a maioria de nós conhecemos.

Porém, quanto mais investimento em educação e cultura existir em nosso país, maiores serão a lucidez e a consciência do voto do cidadão de bem. Também, com uma educação voltada ao conhecimento sobre política, tudo leva a crer em uma sociedade mais democrática e, consequentemente, com representantes preparados para ocupar cargos públicos vitais para o desenvolvimento do Brasil.

Neste domingo vamos dar um novo passo.  Lembrando que nos últimos meses, ficamos imersos em um mar de informações, propostas nem sempre claras e também ataques e trocas de acusações entre os próprios candidatos. É claro que tudo isso gera um pouco de confusão e insegurança para fazermos nossas escolhas.

Diante disso, precisamos parar para refletir sobre quais candidatos atenderão as nossas principais expectativas. Como sabemos ninguém neste mundo é irrepreensível. Ou seja, provavelmente não vamos encontrar candidatos que atendam os nossos ideais por completo. Contudo, devemos votar de forma consciente, fazer a escolha que mais se aproxime ao que desejamos, pois somente com consciência e responsabilidade o voto faz sentido.

Vale lembrar, que quanto maior o número de informações e variáveis consideradas na tomada de decisão, maior a probabilidade de assertividade e satisfação com o resultado. Em outras palavras, escolher significa ponderar os prós e contras, inclusive projetando-os no futuro.

É interessante observar a congruência entre o discurso e as ações dos candidatos. As atitudes e os comportamentos, as suas reais intenções quanto à sociedade.  Coerência, ética e compromisso com a população, são atitudes importantes para o desenvolvimento de uma sociedade, visando o bem comum do cidadão.

Para tal, podemos também analisar com atenção a história dos candidatos. Existem hoje diversas formas de se pesquisar a vida e a carreira de um político. A internet é uma das formas mais rápidas, os jornais e revistas fontes importantes. E até mesmo a própria propaganda eleitoral gratuita. Ou não? Depois de observar e analisar, também devemos comparar todos os aspectos com nosso mapa de valores.

O processo de escolha é ainda mais complexo, a propaganda costuma destacar aspectos positivos dos candidatos. O marketing político é a prova. Separar o joio do trigo se faz necessário neste momento de importante decisão. Por conta disso, debates ao vivo são tão preciosos, já que alguns traços de personalidade e falta de clareza em propostas podem ficar evidentes.

E lembre-se: o voto não deve ser encarado como uma obrigação, mas como um direito de escolha, um símbolo da democracia. O pleito é uma forma poderosa de participar e contribuir ativamente com a sociedade em que vivemos.

Vote e exerça sua força e cidadania!

 

Related Articles

Responses

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *